Translate

domingo, 27 de setembro de 2015

Café Quinto Pecado, na Vila Mariana

Estávamos curiosos pelo cafezinho de hoje há tempos! Foram amigos nossos que nos mostraram este lugar, pela primeira vez, meses atrás. E dificilmente o descobriríamos sozinhos. 

O Quinto Pecado está em um sobrado de esquina, no número 12 da Rua Coronel Artur de Godói, num cantinho arborizado e tranquilo da Vila Mariana, verdadeiro oásis na quase sempre tão frenética São Paulo.



Ontem fomos tomar café da manhã lá. Ao som de passarinhos. Brisa fresca depois de dias de calor escaldante em SP! E era como estar no quintal de alguém conhecido.

As mesas e cadeiras, cada uma de um jeito, fazem parecer que alguém as foi “largando” por lá, foram ficando velhas, sendo colocadas pra fora de casa, transformando o espaço quase sem querer... A parte de dentro, que seria a “sala” da casa, encanta pela decoração intimista e pelas delícias expostas na vitrine, como se a nossa “anfitriã” as tivesse preparado só pra nos receber.






Tive um retorno à infância... O sobrado antigo, referências sem fim nos detalhes das paredes com a tinta descascada, as plantas crescendo livremente no quintal, a mobília harmoniosamente desconexa... Como tenho uma relação afetiva com aquele bairro – onde vivi meus primeiros 10 anos – este café sim, fez a frase do Chico fazer sentido pra mim: “com açúcar e com afeto...”.

Rua Coronel Artur de Godói nº 12 (esquina com Rua Fabrício Vampré)
Segunda à sexta: 10h00 – 19h00
Sábados: 11h00 – 18h00

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

(Fechado) KAYA Kafé, na Rua Augusta

Nos últimos tempos aprendemos a jamais ignorar uma viela no caminho: pode ser que haja absolutamente nada de interessante nela, mas, muitas vezes, podemos nos surpreender positivamente! E hoje não foi diferente: andando pela Rua Augusta, sentido bairro, descobrimos o KAYA Kafé, numa viela no nº 2052.

Encontre o KAYA Kafé nesta foto...
KAYA Kafé, visto já do lado "de dentro" da Vilinha 2052
De cara, o som ambiente já conquistou meu coração! (tocava Keira Knightley, com Coming up Roses, da trilha sonora do filme “Mesmo se nada der certo”, que amo!)

Havíamos acabado de almoçar e pretendíamos, no máximo, um cafezinho. Mas não tivemos como resistir ao “pão de queijo do gringo”, servido com geleia de framboesa orgânica feita lá mesmo, e brownie pra acompanhar nossos expressos. De quebra, ainda experimentamos o bolo de cenoura com cobertura de chocolate. Tudo muito bom!

Delícias do KAYA Kafé
Entre alguns itens que estão expostos lá, logo na entrada, destaque para os cafés da Fazenda Ambiental Fortaleza: Carmen Miranda e Cartola são alguns deles. Tem também bolsas de crochê da Jô de Paula Atelier, vasinhos de cerâmica da El Cabriton-Atelier Mirai e outras coisinhas:

Delícias do KAYA (y otras cositas más) pra levar pra casa
O atendimento é excelente e o lugar muito bacana! Com bicicleta de vários assentos compondo a decoração, cardápio no quadro negro, móveis feitos de materiais reciclados, como pneus e caixas de feira, e uma “vitrine” de dar água na boca, o KAYA Kafé é um “esconderijo” que merece ser descoberto!

Cardápio no quadro negro

KAYA Kafé

A "vista" da Rua Augusta

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Filme: Uma Viagem Extraordinária

(Imagem: divulgação)
Esse é mais um filme encantador dirigido pelo francês Jean-Pierre Jeunet (o mesmo diretor de “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”).

Baseado no livro “O Mundo Explicado por T.S. Spivet”, de Reif Larsen, “Uma Viagem Extraordinária” conta a história de T.S. Spivet, um garotinho prodígio de 10 anos, que vive com a família em um rancho isolado, em Montana, nos Estados Unidos.

Quando ganha o prêmio científico Baird Award, do Instituto Smithsonian, pela invenção da “máquina do movimento perpétuo”, o pequeno decide abandonar sua família, sem dizer nada a ninguém, para atravessar sozinho os Estados Unidos, em uma viagem de trem até Washington, DC.  O que ninguém imagina, é que o premiado seja apenas uma criança. 

Delicado e emocionante, com fotografia e trilha sonora maravilhosas!


Assista o trailer.

Embu das Artes: galeria a céu aberto na Grande SP

Não fomos viajar pra longe no feriado prolongado de 07.09, então fomos conhecer a encantadora Embu das Artes.

Situada a cerca de 30 km de São Paulo, a cidade é famosa, como o nome já diz, por oferecer (muita) arte: são inúmeras galerias, lojas e feirinhas oferecendo quadros, esculturas, objetos decorativos, roupas customizadas, bijuterias, bolsas, acessórios, balagandãs em geral, trabalhos em madeira, couro, MDF, artesanatos com técnicas variadas, móveis, antiguidades... enfim, uma infinidade de coisas de encher os olhos! Vale a pena ir mesmo que você não compre nada, porque há muito para apreciar!

Não tínhamos um roteiro definido. Deixamos o carro no estacionamento da “Praça de Alimentação” (que é uma praça mesmo), e seguimos a pé para o centrinho. Íamos entrando em toda loja que nos chamava atenção. Dá vontade de levar tudo! (cuidado para não se empolgar e comprar o que não você precisa ou nem tem onde colocar rs)

Uma das ruazinhas de Embu das Artes
Os preços nem sempre são camaradas, por isso é sempre bom pesquisar o mesmo item em mais de um lugar, mas, considerando que grande parte das peças é produzida artesanalmente, é até justificável que algumas custem um pouco mais.

Andamos a pé por todo o centrinho. Aqui estão alguns destaques do nosso passeio:

Logo de cara, tive que comprar biscoitos de polvilho temperados, biscoitinhos de leite condensado e um licor artesanal de café, entre as delícias do Armazém da Fazenda.

As delícias do Armazém da Fazenda
Subindo um pouquinho, chegamos ao Largo dos Jesuítas, onde fica a igreja de Nossa Senhora do Rosário, que abriga o Museu de Arte Sacra da cidade.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário - Museu de Arte Sacra, no Largo dos Jesuítas
Uma feirinha se espalha, com inúmeras barraquinhas, pelas ruas do centro. E tem de tudo: bijuterias, acessórios, peças de decoração, quadros, brinquedos, roupinhas para bonecas, instrumentos musicais, roupas, comida, peças (lindas!) feitas e vendidas por indígenas da região, flores, sandálias de couro...

Parte da feirnha de Embu das Artes
Tem vários restaurantes bacanas também. Na hora que bater a fome, no meio da caminhada, opções não faltarão.

Entramos na Fenix Galeria e nos perdemos por um tempo nas obras, uma mais linda que a outra! Fomos muito bem atendidos e tivemos uma pequena “aula” sobre Inos Corradin!

A Praça do Coreto também recebe “decoração”: os quadros à venda dão um colorido especial à praça.

Praça do Coreto
Passamos pela Oficina da Cor, que não poderia ter um nome mais apropriado! O colorido das obras – várias delas com referências de grafitagem – chama atenção e nos leva pra dentro da galeria!

Galeria Oficina da Cor
Bem pertinho dali, a pitoresca Viela das Lavadeiras, toda florida e colorida! Linda!

Viela das Lavadeiras

Viela das Lavadeiras

Viela das Lavadeiras
A Pino Giacobini Artes também encanta, com suas peças vintage com temas de automobilismo e motociclismo.

Pino Giacobini Artes
Paramos para um café no Florbela Café, integrado à Florbela Móveis. Loja e café se confundem, criando um ambiente muito interessante! Destaque para o bolo de cenoura com cobertura de chocolate e para o chocolate quente com conhaque espanhol. Hummm!!!

Chocolate quente com conhaque espanhol no Florbela Café

Florbela Café

Florbela Café - Móveis
Depois caminhamos até o Parque do Lago Francisco Rizzo. Lá, você poderá comprar verduras orgânicas direto da horta comunitária ;-)

Horta comunitária no Parque do Lago Francisco Rizzo
Por fim, fomos conhecer duas outlets: a Mega Mult (que vale muito a pena!) e a BBB (que esgotou nossa paciência em dois minutos!).