Translate

domingo, 28 de junho de 2015

Moocaires: empanadas argentinas (y un poco mas), na Mooca

No dia 19.06 fomos conhecer um lugar que estávamos curiosos pra visitar: Moocaires Resto Bar. São duas unidades, uma na Mooca (a que escolhemos hoje) e outra na Granja Viana, em Cotia.

O lugar divide opiniões: uns adoram, outros se frustram bastante. O preço é razoável. Pra começar, pedimos uma porção de carne, que não era exatamente aquilo que se espera de carne argentina, mesmo em se tratando de uma porção...

O forte deles são as empanadas. Fique com elas, que são deliciosas!

(Atualizando... em janeiro de 2016) Voltamos ao Mooocaires outro dia para o almoço e, de sobremesa, testamos e super aprovamos o alfajor de colher (di-vi-no!) e o cheesecake.



Além disso, o ambiente vale o passeio. A decoração reúne quadros e mais quadros de figuras icônicas da Argentina como Evita, Che Guevara, (o brasileiro, francês ou uruguaio, naturalizado argentino) Carlos Gardel, Maradona, Mafalda e muito futebol, claro! A tão querida Mafalda está sentada num banquinho com lugar reservado pra você se juntar a ela e tirar uma foto.








O ambiente reflete bem a atmosfera do país hermano, de que – rivalidades à parte – tanto gostamos. Merece uma visita!


ä Unidade Mooca | Rua da Mooca, 3593| Mooca | São Paulo/SP | (11) 2604-2337
Clique aqui para visitar a página no Facebook.

ä Unidade Granja Viana | Rua Jose Felix de Oliveira, 991 (Patio Viana)| Cotia/SP | (11) 2690-3777

sábado, 27 de junho de 2015

2 dias (e meio) em Natal/RN

Dois dias num lugar como Natal é muito pouco, é verdade. Mas foi suficiente pra conhecermos lugares bem bacanas, (vi)vermos paisagens lindas, relaxarmos e nos divertirmos muito!

Ficamos de 18 a 20.04. Como amigos de Fortaleza eram nossa (ótima) companhia, fomos pra lá e, de carro, seguimos pra Natal. A primeira dica é justamente essa: alugar um carro, pra ter maior mobilidade e flexibilidade nos horários.

Dia 1

Ao chegarmos a Natal, fomos deixar as coisas no hotel. Nos hospedamos no Yak Hotel Natal, na Praia do Meio. Ótima localização e café da manhã. Acomodações boas. Suficiente pra quem só vai ao hotel pra tomar banho e dormir.

Praia do Meio

Fomos almoçar no Camarões Restaurante. Di-vi-no! Ótimo atendimento, comida maravilhosa e sobremesas tudo de bom! Falha minha, não anotei os nomes dos pratos:





Depois passamos pela Praia do Meio, atravessamos a  Ponte Newton Navarro – de onde se tem vistas privilegiadas da cidade e do mar –, e fomos até Genipabu, a cerca de 25 km de Natal, um dos cinco destinos mais visitados do Rio Grande de Norte.

As dunas de Genipabu foram cenário de novelas globais como Tieta, O Clone e Flor do Caribe. Tem como principais atividades o passeio de buggy e o "esquibunda”, tradicionais nas praias nordestinas, e o "aerobunda" (descida pelas dunas por um cabo de aço).

Genipabu também oferece um passeio nada comum no Brasil:  passeio de dromedário.

Assim como a dica que dei no post sobre Fortaleza, melhor procurar um bugueiro credenciado pela Secretaria de Turismo.

O Bar e Restaurante 21 é bastante recomendado, mas só o vimos de longe.

Praia de Genipabu, com o Bar e Restaurante 21

Saindo de lá, no final da tarde, formos ao Forte dos Reis Magos (ou Fortaleza dos Três Reis Magos), na Praia do Forte, inaugurado em 1599. Já não pudemos entrar no Forte, porque tinha acabado de fechar. Mas valeu a pena mesmo assim, porque tivemos uma vista linda do pôr do sol!

Pôr do sol, e Ponte Newton Navarro, vistos do Forte dos Reis Magos

Para o lanchinho de fim de tarde, fomos à Casa de Taipa, tapiocaria e cuscuzeria, no bairro Ponta Negra, que conquista logo de cara pela arquitetura rústica (é uma casa de taipa, afinal) e decoração lúdica. Escolha qualquer tapioca, qualquer cuscuz: a apresentação é linda, ótimos sabores (preços não tão baratinhos, é verdade), mas só o ambiente já vale o passeio. Imperdível!

Casa de Taipa

Tapioca, na Casa de Taipa

Cuscuz, na Casa de Taipa (já meio "destruída" pelo Marido rs)

Tapioca, na Casa de Taipa

À noite retornamos à mesma rua da Casa de Taipa, quase em frente, para conhecer o Taverna Pub, bar temático estilo medieval. Garçonetes vestidas a caráter, pouca luz, ficamos sentados no balcão, bem pertinho do palco, onde naquela noite se apresentou a banda Rota 101, que agradou bastante. OK, estando em Natal, deveríamos ter ido a um lugar com música e danças típicas, mas não pudemos resistir à curiosidade de conhecer o pub: e não nos arrependemos!

Taverna Pub

Taverna Pub

Dia 2

Dia de aproveitar o mar. Acordamos e fomos a Maracajaú, comunidade costeira localizada no município de Maxaranguape. No parque aquático Ma-Noa Park, compramos ingressos para o mergulho nos corais. O passeio inclui ida de lancha até o local, onde permanecemos por cerca de uma hora, e volta também de lancha. O parque é uma boa pedida pra quem vai com crianças. Pra nós, por enquanto, só o mergulho mesmo rs

Corais em Maracajaú (foto: Guto Guedes)

À noite, de volta a Natal, passamos no bistrô, café e restaurante Mãos de Mago, para um cafezito. O ambiente colorido e aconchegante, reúne arte e gastronomia. Vale uma passadinha rápida.

De lá, mais uma vez no “miolinho” da Casa de Taipas e Taverna Pub, fomos comer pizza na pizzaria e creperia Cipó Brasil, com um ambiente parece uma espécie de Rainforest Cafe do nordeste. É mais um lugar que adoramos e recomendamos!

Pizza, no Cipó Brasil

Depois ainda fomos conhecer o Decky Bar. Um pouco cansados de tanto “rodar” o dia todo, já não aproveitamos tão bem e já não tínhamos estômago pra experimentar muita coisa. Parece ser uma boa pedida, se for sua primeira opção da noite rs

Dia 3

Dia de ir embora. Mas não sem antes dar uma passadinha no Shopping do Artesanato Potiguar, onde conhecemos a figura mais incrível da nossa viagem: a Dona Fátima (o atendimento em Natal, em geral, foi excelente. Mas ela superou todas as expectativas!). Essa senhora muito simpática da foto, até presente deu pro filhinho do Guto e da Rê (nossa amiga “buchuda”), que foram nossa companhia nessa viagem.  Lá, nos perdemos em meio a tantas comidas, roupas, bebidas, artesanatos típicos. Tem váááários stands, com coisas muito interessantes.

Dona Fátima, a simpatia em pessoa, no Shopping do Artesanato Potiguar
Como o Marido sempre tem na lista de desejos dele dar uma olhadinha nos estádios de futebol ao redor do mundo, também passamos em frente à Arena das Dunas, estádio que recebeu jogos da Copa do Mundo em 2014.

Arena das Dunas

Ainda faltou conhecer bastante coisa, então teremos “desculpa” pra voltar logo e viver um pouco mais do universo potiguar: belezas naturais, pessoas amáveis, boa comida, Lampião e Maria Bonita... 



ä Camarões Restaurante| Avenida Engenheiro Roberto Freire, 2610 | Ponta Negra | Natal/RN | (84) 3209-2424

äCasa de Taipas | Rua Dr. Manoel Augusto Bezerra de Araújo, 130-A | Alto de Ponta Negra | Natal/RN | (84) 3219-5798

ä Taverna Pub | Rua Dr. Manoel Augusto Bezerra de Araújo, 500| Alto de Ponta Negra | Natal/RN | (84) 3236-3696

ä Mãos de Mago | Rua R. Praia de Muriú, 9218 | Ponta Negra | Natal/RN | (84) 3219-3251

ä Cipó Brasil | R. Aristides Porpino Filho, 3111| Alto de Ponta Negra | Natal/RN | (84) 3219-5227

ä Decky Bar | Av. Eng. Roberto Freire, 9100| Ponta Negra | Natal/RN | (84) 3219-2471

quinta-feira, 11 de junho de 2015

1 dia em São Roque/SP, com Ski Montain Park

Conhecida pelas vinícolas e adegas, São Roque, a cerca de 75 km de São Paulo, nos proporcionou dessa vez um pouco mais que vinho e suco de uva: no feriado da Páscoa (sim, estou com alguns posts beeem atrasados... rs), fomos conhecer o Ski Montain Park.

Pra começar, subimos de teleférico do estacionamento até a parte principal do parque.

Teleférico

 Fomos direto para o que mais queríamos fazer: pista de esqui! OK... não é neve nem gelo, claro. É uma pista escorregadia de 100 metros, feita de uma espécie de “carpete” de polietileno. Você pode usar esquis ou snowboards (ficamos com a segunda opção). Muito divertido - mesmo!!! Só a atividade na pista já teria valido o passeio!

Equipamentos da pista de esqui

Pista de esqui

Pista de esqui
Seguimos para a pista de patinação. Talvez por inexperiência nossa, não conseguimos deslizar como queríamos e aproveitar bem a brincadeira. De qualquer forma, os “capotes” que levamos renderam boas risadas!

Na sequência, arco e flecha. Assim como a pista de esqui, teria valido sozinha o passeio. Adoramos!

Arco e flecha
Pra finalizar, descida pelo tobogã. Uma delícia!

Além dessas atividades, tem paintball, arvorismo, rapel, trilha ecológica, passeio a cavalo...

Eles não cobram ingresso. Você paga o estacionamento e por aquilo que vai querer fazer, ou adquire o “pacote”, se achar que vale a pena (confira as tarifas clicando aqui). Há alguns restaurantes no local, então dá pra aproveitar o dia todo. Como já havíamos nos divertido bastante e ainda queríamos dar umas voltinhas por São Roque, optamos por menos atividades.

Dessa vez não tínhamos roteiro definido. Pegamos a Estrada do Vinho e íamos parando nos lugares que chamavam atenção.

Saindo do parque, fomos procurar um lugar pra almoçar e paramos no Restaurante Frank. Ótimo atendimento! Comida boa. Destaque para o suco de uva branco integral.

De lá, demos uma passadinha na Vinícola Góes, que já conhecíamos, e seguimos para a vinícola Bella Aurora.

Continuando, paramos na adega e restaurante Quinta do Olivardo. Como já havíamos almoçado, era hora de um cafezinho, com direito a bolinhos de chuva e pasteizinhos de Belém. Tudo de bom!!!

Café com bolinhos de chuva e pestel de Belém, na Quinta do Olivardo

Quinta do Olivardo
Pra fechar, Villa Don Pato, adega e restaurante que tem um espaço e um visual muito bacanas!


Esse site traz um mapa e informações muito úteis, pra explorar a região. Clima de serra, temperatura agradável, degustação de vinhos, queijos e outros quitutes nas adegas... Para os amantes de vinho e de boa gastronomia italiana e portuguesa, São Roque é um prato cheio.

Posts relacionados:


 

O Velhão: um universo paralelo na Serra da Cantareira

 

Atibaia II – Pedra Grande

 

Bairro da Serrinha: natureza, diversão, arte e gastronomia em Bragança Paulista

 

Climinha de inverno: 1 dia em Santo Antônio do Pinhal

 

Embu das Artes: galeria a céu aberto na Grande SP